em 


Opções Avançadas

Outros Livros do Autor



O LIVRO DOS ABRAÇOS

Eduardo Galeano
Tradução de Eric Nepomuceno

Coleção L&PM Pocket
Ref. 465
272 páginas
ISBN 85.254.1488-3
ISBN-13 978.85.254.1488-5
Também em e-book

R$ 22,00



ESPELHOS – UMA HISTÓRIA QUASE UNIVERSAL

Eduardo Galeano
Tradução de Eric Nepomuceno

Outros Formatos
362 páginas
ISBN 978.85.254.1809-8
Também em e-book

R$ 45,00



VAGAMUNDO

Eduardo Galeano
Tradução de Eric Nepomuceno

Coleção L&PM Pocket
Ref. 185
152 páginas
ISBN 85.254.0507-8
ISBN-13 978.85.254.0507-4
Também em e-book

R$ 17,90



TEATRO DO BEM E DO MAL, O

Eduardo Galeano
Tradução de Sergio Faraco

Coleção L&PM Pocket
Ref. 293
128 páginas
ISBN 85.254.1206-6
ISBN-13 978.85.254.1206-5
Também em e-book

R$ 13,90



PALAVRAS ANDANTES, AS

Eduardo Galeano
Tradução de Eric Nepomuceno

Outros Formatos
316 páginas
ISBN 85.254.0450-0

R$ 52,00

Veja Mais

AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

Eduardo Galeano
Tradução de Sergio Faraco

“Uma bomba literária que muito provavelmente Obama não leu, mas que – sejamos francos – na verdade deveria ler...”
Jorge Volpi, El País

Um livro (infelizmente) atual

A L&PM está relançando As veias abertas da América Latina, de Eduardo Galeano, não apenas em formato convencional, mas com o mesmo conteúdo na Coleção L&PM POCKET. O livro tem nova capa, índice analítico e nova tradução de Sergio Faraco, um dos mais importantes contistas do Brasil. Sobre essa versão, escreveu Galeano: “Excelente trabalho de Sergio Faraco, melhora a não menos excelente tradução anterior, de Galeno de Freitas. E graças ao talento e à boa vontade destes dois amigos, meu texto original, escrito há quarenta anos, soa melhor em português do que em espanhol”.

No prefácio escrito em agosto de 2010, especialmente para esta edição de As veias abertas da América Latina, Eduardo Galeano lamenta “que o livro não tenha perdido a atualidade”. Remontando a 1970 sua primeira edição, atualizada em 1977, quando a maioria dos países do continente padecia facinorosas ditaduras, este livro tornou-se um autêntico “clássico libertário”, um inventário da dependência e da vassalagem de que a América Latina tem sido vítima, desde que aqui aportaram os europeus no final do século XV. No começo, espanhóis e portugueses. Depois vieram ingleses, holandeses, franceses, modernamente os norte-americanos, e o ancestral cenário permanece: a mesma submissão, a mesma miséria, a mesma espoliação.

As veias abertas da América Latina vendeu milhões de exemplares em todo o mundo. Com seu texto lírico e amargo a um só tempo, Galeano sabe ser suave e duro, e invariavelmente transmite, com sua consagrada maestria, uma mensagem que transborda humanismo, solidariedade e amor pela liberdade e pelos desvalidos.

Preço R$ 22,90

Informações Gerais

Indicado para:

1° Série do Ensino Médio
2° Série do Ensino Médio
3° Série do Ensino Médio
Ensino Superior

Título:

AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

Catálogo:

Coleção L&PM Pocket

Gênero:

Documento
Biografias

Referência:

900

Cód.Barras:

9788525420817

ISBN-13:

978.85.254.2081-7

Páginas:

400

Vida & Obra

Eduardo Galeano

Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, Uruguai, em 3 de setembro de 1940. Em sua cidade natal, foi chefe de redação do semanário Marcha e diretor do jornal Época. Fundou e dirigiu a revista Crisis, em Buenos Aires. A partir de 1973, esteve exilado na Argentina e na Espanha; no início de 1985, voltou ao Uruguai, residindo desde então em Montevidéu.

É autor de vários livros, traduzidos em mais de vinte países, e de uma vasta obra ...

Vídeos Relacionados

Opinião do Leitor

"Parabéns LPM pela iniciativa !!!
Um livro que mostra as verdades que incomodam muita gente que insistem em não enxergar o que somos no continente americano, o li quando adolescente por iniciativa de um professor de história geral, e quanto ao autor Sr Galeano o considero um dos maiores escritores da década. "

Marcelo Papp
Curitiba / Paraná

"Escrita nos últimos dois meses de 1970, Las venas abiertas de América Latina é a certidão de nascimento de Eduardo Hughes Galeano como escritor, conforme relata o próprio autor. Classificado superficialmente como um ensaio de economia política, esta obra se constitui como pedra fundamental para a compreensão teórica de toda sua produção literária posterior.
Antes de escrever livro que o projetou no cenário internacional, Galeano viajou por quase toda a América Latina em busca de fontes documentais em bibliotecas, institutos e, principalmente, relatos pessoais dos que sentiam na carne os desafios humanos de viver num país subdesenvolvido nos finais da década de 1960. Seu objetivo era presenciar, quando possível, in loco, e compartilhar das mesmas experiências. Deste experimento, ficou a certeza de que havia uma obrigação moral de levar aquelas tristes vozes, portadoras de experiências desumanas, ao conhecimento de todos.
Como ressalta Galeano, estava diante de um grande desafio, fazer de suas palavras a voz daquela gente, “vencer el desafío que es el arte de narrar.” Para cumprir esta tarefa, debruçou-se quatro anos sobre pilhas de documentos para escrevê-la “al cabo de 40 noches, a base de mucho café”
Eduardo Galeano, como atestam os trechos supracitados, reforçou a imagem e a mitologia criadas em torno de si e de As veias abertas da América Latina, o que fez dele uma das figuras de maior destaque no meio intelectual, e de seu livro mais conhecido, escrito há quase 40 anos, sua obra de maior prestígio .
Quando acompanhamos hoje Eduardo Galeano em entrevistas ou palestras ao redor do mundo, muitas vezes não temos consciência que sua trajetória biográfica e bibliográfica são frutos de seu engajamento ideológico, seja como cidadão na vida política de seu país e de toda a América Latina, e, sobretudo, pelo intelectual e escritor engajado que ganhou projeção com a obra As veias abertas da América Latina, em 1971.
Não são muitos os escritores que conseguem sustentar uma total indiferença pela ética de seu trabalho, ou seja, dar uma função pragmática à sua obra, e quando defendem esta posição, muitas vezes são alvos de críticas, como Borges e Drumond, por exemplo. Da mesma maneira, também não são poucos, principalmente na América Latina, os que entendem que na prática literária não é possível separar a ética da estética, esboçando uma forma de neutralidade político-ideológica. Pode-se perceber que a intenção de Galeano, ao escrever suas obras, é oferecer aos leitores o fio de Ariadne discursivo para que possa conduzir seus leitores à (sua) verdade, para isso usa um arsenal de argumentos, retomando a história da América Latina, desde a gênese da colonização do continente e de técnicas narrativas e gêneros discursivos que se lhe sirvam para demonstrar o “outro lada da história”, a contra-história.
Em Las venas abiertas de América Latina, Galeano busca redefinir a identidade do continente latino-americano, constituída paulatinamente, desde a cultura oral até os discursos oficiais propagados institucionalmente. Refuta-os, propondo novos parâmetros para a configuração da identidade histórica hispano-americana. Sua experiência como jornalista habilita-o a fazer de seu grande domínio da palavra escrita e amplo conhecimento das estratégias discursivas uma arma retórica contra a história oficial da América. Desiludido com a forma como era veiculada anteriormente, escreve uma espécie de manual revolucionário, considerado hoje um dos cânones dessa revisão histórica latino-americana. Talvez a precursora da narrativa documental, Las venas abiertas de América Latina é a obra seminal para compreensão do fazer literário do escritor uruguaio.
Anda hoje, quase 4 décadas depois, a obra ganha fôlego e desponta no século XXI como uma referência à utopia latino-americana. Como afirma o próprio Galeano, Uno supone que la literatura transmite conocimiento y actúa sobre el lenguaje y la conducta de quien la recibe; que nos ayuda a conocernos mejor para salvarnos juntos.”
"

Lindinei Rocha
Nova Iguaçu/RJ

* O número de páginas dos livros da Coleção L&PM e-books é uma referência baseado no número de páginas dos livros impressos

voltar ir para o topo   imprimir
 

Home    Quem Somos    Sala de Imprensa    Agenda    Entrevistas    Mapa do Site    Fale Conosco

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Rua Barra do Tibaji, 354 - Fone: (11) 3578.6606 - São Paulo/SP – CEP 01128-000

Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva