em 


Opções Avançadas

Vida & Obra

 

Livros do Autor



CRIME E CASTIGO

Dostoiévski
Tradução de Natália Nunes e Oscar Mendes

Coleção L&PM Pocket
Ref. 600
592 páginas
ISBN 978.85.254.1647-6

R$ 29,90



CRIME E CASTIGO: GRAPHIC NOVEL

Fiódor Dostoiévski

Tradução de Alexandre Boide

Adaptação e roteiror: David Zane Mairowitz
Ilustrações: Alain Korkos

Outros Formatos
Formato 16x23
128 páginas
ISBN 978-85-254-3410-4
Também em e-book

R$ 34,90



CRIME E CASTIGO: GRAPHIC NOVEL

Fiódor Dostoiévski

Tradução de Alexandre Boide

Adaptação e roteiror: David Zane Mairowitz
Ilustrações: Alain Korkos

Coleção L&PM E-books
Formato PDF
128 páginas
ISBN 978.85.254.3496-8

R$ 29,90



MEMÓRIAS DA CASA DOS MORTOS

Dostoiévski
Tradução de Natália Nunes e Oscar Mendes

Coleção L&PM Pocket
Ref. 695
336 páginas
ISBN 978.85.254.1755-8

R$ 21,90

Veja Mais

Dostoiévski

Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski nasceu em Moscou em 11 de dezembro de 1821, no hospital onde seu pai, Mikhail Andriéievitch Dostoiévski, clinicava. Mikhail, apesar de imprimir uma disciplina severa à família, incentivava os sete filhos ao amor pela cultura. Em 1837, a mãe de Dostoiévski morreu precocemente de tuberculose. A perda foi um choque para o pai, que acabou mergulhando na depressão e no alcoolismo. Fiódor e seu irmão foram então enviados à Escola de Engenharia, em São Petersburgo.

Em 1839, morreu o pai de Dostoiévski. As causas são controvertidas, e uma das versões é que o pai – que tinha fama de avaro e de violento – foi assassinado pelos servos enfurecidos com os maus tratos. Dostoiévski culpou-se durante toda a vida pelo fato de, em várias ocasiões, ter desejado a morte do pai. Essa questão da culpa, que acabou transparecendo em sua obra, foi estudada por Sigmund Freud no famoso artigo "Dostoiévski e o parricídio", de 1928.

Em 1843, concluiu os estudos de Engenharia e obteve o grau militar de subtenente. Durante esses anos, dedicou-se à tradução, incluindo a obra de Balzac, um autor que ele admirava. Em 1844 abandonou o exército e começou a escrever a novela Pobre gente, obra que recebeu uma crítica positiva no seu lançamento. Foi nesta época que contraiu dívidas e sofreu o primeiro ataque epilético. À primeira obra, seguiram-se Niétotchka Niezvânova (escrito entre 1846 e 1849), Noites brancas (1848), entre outras, que não tiveram a mesma acolhida da crítica.

Enquanto isso, Dostoiévski engajou-se na luta da juventude democrática russa pelo combate ao regime autoritário do Tsar Nicolau I. Em abril de 1849 foi preso e condenado; em novembro do mesmo ano, acabou sentenciado à morte pela participação em atividades antigovernamentais junto a um grupo socialista. No dia 22 de dezembro, chegou a ser levado ao pátio com outros prisioneiros para o fuzilamento, mas, na última hora, teve a pena de morte substituída por cinco anos de trabalhos forçados na Sibéria, onde permaneceu até 1854.

A experiência abalou profundamente o escritor, que iniciou o romance Memórias da casa dos mortos, publicado em 1862. Alguns anos antes, Dostoiévski conheceu María Dmítrievna Issáieva, viúva de um maestro, com quem se casou em 1857.

Retornou a São Petersburgo em 1859, dedicando-se integralmente a escrever, produzindo seis longos romances, entre os quais suas obras-primas Crime e Castigo (1866), O idiota (1869) e Os irmãos Karamazóv (1880). É também dessa época a criação da revista Tempo, em cujo primeiro número apareceu parte de Humilhados e ofendidos, obra que também remete à sua experiência na Sibéria. A década de 1860 é marcada por viagens pela Europa, período no qual conheceu sua grande paixão, Paulina Súslova, que acabaria o traindo. Após a decepção amorosa, Dostoiévski voltou para a esposa, que morreu logo depois.

Solitário, endividado e tendo que sustentar a família do irmão recém-falecido, o escritor ditou O jogador para a sua secretária, Anna Grigórievna, com quem se casaria depois da recusa de Paulina em reatar o relacionamento. O livro é um sucesso e colabora para restabelecer suas finanças. Logo depois de publicar Crime e castigo, viajou com a nova mulher para Genebra onde nasceu a primeira filha que morreu logo em seguida. A partir de 1873, passou a editar a revista Diário de um escritor, na qual publicava histórias curtas, artigos sobre política e crítica literária.

Em 1880 participou da inauguração do monumento a Aleksandr Pushkin, em Moscou. Na ocasião, pronunciou um memorável discurso sobre o destino da Rússia. No dia 8 de novembro do mesmo ano, em São Petersburgo terminou de redigir Os irmãos Karamazóv, em São Petersburgo. Morreu em fevereiro de 1881.

Opinião do Leitor

"Tenho escritores prediletos, entre eles está Fiódor Dostoiévski!"

Águeda Damião
osasco sp

"Pra mim também é o maior de todos."

jowilton amaral da costa
nossa senhora de lourdes-se

" Cervantes, Balzac e Dostoiévski formam a grande tríade da sagrada literatura. Admiro muito os seus trabalhos e os relei-os constantemente. As vezes os três ao mesmo tempo e sempre encontro algo de novo que deixei passar.
                                                         "

Raimundo Nonato Rodrigues
São Luis - Ma

voltar ir para o topo   imprimir página
 

Home    Quem Somos    Notícias    Mapa do Site    Fale Conosco    Podcast L&PM

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Rua Funchal, 538, sala 183, 18º andar - Vila Olímpia – Fone (11) 3578.6606 - São Paulo/SP - CEP 04551-060

© 2003-2017 Publibook Livros e Papeis Ltda. - CNPJ 87.932.463/0001-70 - Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva