em 


Opções Avançadas
 

Livros do Autor



A BELA ADORMECIDA E OUTRAS HISTÓRIAS, VOL. I

Irmãos Grimm
Tradução de Zaida Maldonado

Coleção L&PM Pocket
Ref. 254
192 páginas
ISBN 85.254.1158-2
ISBN-13 978.85.254.1158-7
Também em e-book

R$ 16,90



PRÍNCIPE SAPO, O E OUTRAS HISTÓRIAS, VOL. II

Irmãos Grimm
Tradução de Zaida Maldonado

Coleção L&PM Pocket
Ref. 255
192 páginas
ISBN 85.254.1159-0
ISBN-13 978.85.254.1159-4
Também em e-book

R$ 17,90

Irmãos Grimm

Os irmãos Grimm, que nos legaram os contos hoje conhecidos como “Os Contos dos Irmãos Grimm”, eram sisudos eruditos que dedicaram boa parte de suas vidas à pesquisa.


Jacob nasceu em 1785 e Wilhelm, um ano depois. O pai deles, um advogado, faleceu quando eram ainda crianças, mas a mãe decidiu que os dois seguiriam os passos do pai – o que fizeram com o auxílio financeiro de uma tia. Nasceram em Hanau, Hesse, e freqüentaram a universidade em Kassel, onde ambos formaram-se com sucesso em Direito. Não possuíam recursos para se estabelecerem como advogados e precisavam sustentar a mãe, então acei­ta­ram o que lhes foi oferecido. Jacob tornou-se assistente de um faoso especialista em lei romana, o Professor Savigny, quem lhe ensinou a pesquisa e plantou em sua mente tal amor por esta. Jacob tornou-se um dos grandes homens de seu tempo – não em matérias de lei, mas em filo­logia, o estudo da linguagem. Ambos irmãos eram fascinados por este estudo e seus interesses eram tão abrangentes e profundos que o Professor William P. Ker descreveu a filologia como sendo, para eles, o estudo não apenas das palavras, mas da História, da Alemanha, da Idade Média, das Letras Clássicas e da Raça Humana.


Logo Jacob e Wilhelm conseguiram ocupações que lhes permitiram dedicarem-se a seus interesses pessoais, dando início a um tratado sobre a língua germânica. Desenvolveram uma teoria que ficou universalmente conhecida como a Lei dos Grimm. Em todos os seus estudos foram pioneiros, começando do zero, sem nada, em absoluto, em que apoi­a­­­rem-se: nem estudos anteriores de outros, nem dicio­nários ou guias de raízes e derivações das palavras. Sob certo aspecto, Jacob foi melhor estudio­so, Wilhelm, melhor escritor, mas trabalhavam juntos em tal colaboração que é quase impossível distinguir suas contribuições. Por dez anos dedi­caram-se à Gramática Germânica; depois enfro­nharam-se na mitologia de sua gente com o mes­mo afinco, determinados em estabelecer algo comparável aos mitos nórdicos e eslavos, já bastante divulgados. Foi esta tarefa que concedeu ao mundo os contos de fadas, coletados como parte da evidência necessária desse trabalho mais amplo.


Estes contos passavam oralmente das mães aos filhos, ninguém sabia há quantas gerações, sem jamais haverem tido as formas de suas histórias fixadas pela escrita. Assim, uma família de, digamos, lenhadores ou carvoeiros que vivesse há séculos nas densas florestas poderia relatá-las de modo bem diferente de uma outra família que houvesse sempre vivido em re­giões de céu aberto ou nas fazendas dos vales.


Jacob e Wilhelm ouviram com freqüência esses contos na infância, mas agora os examinavam com outros olhos, olhos críticos, e com a esperança de que iluminassem a história, as crenças e os costumes da longa sucessão de camponeses alemães que haviam concedido a essas histórias suas formas finais. Os irmãos va­lo­rizavam as histórias por seu material folclórico, sendo portanto essencial que fossem obtidas tantas versões de cada história quantas possíveis, e que cada uma fosse registrada com absoluta fidelidade ao relato feito pelos camponeses em suas choupanas. “Não acrescentamos nada de nosso”, declararam quando da publicação dos contos, “não embelezamos nenhum de seus eventos ou traços característicos. Cada história é recontada substancialmente co­mo a recebemos, embora precisássemos de algu­ma habilidade para distinguirmos suas versões”. Os Grimm encarregaram algumas pessoas de confiança de irem às cozinhas buscar com as mulheres mais idosas as histórias. Estes assistentes ouviam a mesma história vezes sem conta até as terem em todas as suas riquezas de dialetos e detalhes. Então os irmãos trabalhavam nos relatos com a precisão e o método característicos de seu povo, tomando uma frase aqui, uma palavra ali, como testemunhos de lendas e mitos esquecidos. Para eles, os gnomos, as fadas, os gi­gantes, os duendes das minas e os duendes ami­gos dos homens eram parte de um passado esquecido. A bacia de leite posta junto às brasas da lareira à noite pelas donas de casa para agradar aos duendes amigos indicava, aos olhos desses filólogos, um elo direto com os sacrifícios oferecidos antigamente aos deuses nos altares. Os irmãos aprenderam que um gigante podia, aparentemente, ser tão velho quanto as montanhas, embora um anão já fosse um adulto aos três anos de idade, e um velhote, aos sete. Descobriram que algumas crianças saudáveis eram substituídas em seus berços pelas crias das fadas para que estas últimas melhorassem os seus físicos franzinos, e que os buracos dos nós das madeiras eram portas pelas quais os duen­des e as fadas adentravam às habitações humanas jun­to com os raios de sol.


Os Grimm demonstravam através de suas personalidades a meticulosidade e a solenidade típicas dos germânicos: pouco senso de humor e uma certa tendência para o romântico – que levou Jacob a admitir que, mesmo em idade bem avançada, a mera palavra “misterioso” continuava a entusiasmá-lo. Na juventude, ao menos, ele também demonstrara verdadeiro prazer pelas coisas simples do campo. Os irmãos dedicaram sua Gramática a Savigny, e Jacob escreveu que o verdadeiro poeta “é como um homem que se sente imensamente feliz onde quer que esteja, se lhe for permitido apreciar as folhas e a relva, observar o sol se levantar e se pôr. O falso poeta viaja ao estrangeiro e anseia por se exaltar com as montanhas da Suíça, os céus e os mares da Itália. Ele vai a estes lugares, mas permanece insatisfeito. Não é tão feliz quanto o homem que fica em casa e vê a macieira florescer na primavera e escuta os passarinhos cantarem em seus galhos”.


O primeiro volume de Kindermärchen foi publicado em 1812, o segundo em 1815, o ano da batalha de Waterloo. É estranho imaginar esses dois irmãos obstinadamente prosseguindo com suas pesquisas sobre o folclore germâ­nico durante os conturbados anos das guerras napoleônicas, que tão diretamente afetaram o seu solo nativo – Napoleão havia incorporado Hesse e Kassel ao novo Reino de Westfália. Tal­vez seja ainda mais estranho que a tradução dos contos tenha chegado à Inglaterra tão rápido – apenas oito anos depois.


Na Inglaterra, os contos de fadas haviam tido a este tempo suas existências praticamente eliminadas pela sisudez inglesa. Eram classificados de injuriosas tolices, capazes de perturbar as crianças; e uma época de contos morali­zantes e fatos de interesse em formatos digeríveis tivera início. É provável que a própria seriedade com a qual os irmãos Grimm ha­viam coletado os contos tenha ajudado a torná-los mais aceitáveis na Inglaterra, abrindo assim mais uma vez os portões das terras das fadas às crianças inglesas.


Sir Walter Scott procedera da mesma forma ao esquadrinhar as fronteiras em busca das baladas coletadas e preservadas em seu Border Mins­trelsy. Ele compreendeu o que os irmãos Grimm procuravam, e recomendou a edição in­­gle­sa dos contos a todos os lares.


Logo que completaram a Teoria da Mitologia Germânica – o que levou treze anos –, os irmãos embarcaram na gigantesca tarefa de produzirem um Dicionário da Língua Alemã, mas ambos faleceram antes de terminá-lo. Próximo ao fim de sua vida, Jacob por vezes levantava as mãos, os dedos estendidos, dizendo tristemente: “Tenho um livro pronto a sair da ponta de cada um dos meus dez dedos – mas não sou livre”.


Quando tinha uns trinta anos, Jacob exercera um posto na Universidade de Göttingen e fora um dos sete professores que assinaram um protesto contra a interferência do rei de Hanover (aquela personalidade duvidosa, Ernesto, o Duque de Cumberland) em suas liberdades acadêmicas. Foi despedido da Universidade e banido do reino. Parecia um desastre, pois como poderia trabalhar sem o acesso a uma biblioteca erudita? Retornou a Kassel e labutou como pôde mas, felizmente, após três anos, o Rei da Prússia lhe ofereceu um cargo na Universidade de Berlim, onde daria continuidade ao seu trabalho.


Um outro filólogo famoso, Vigfusson, legou-nos uma vívida descrição de Jacob Grimm aos setenta e quatro anos, quando vivia em um apartamento na Linkstrasse, em Berlim. Não era muito alto, mas tinha um porte ereto, sua cabeça grande inclinava-se levemente, como se em pensamento. Tinha o rosto barbeado e carregava um semblante sério que pouco se alterava. Seus cabelos eram volumosos, lisos e prateados. Ler e escrever ha­viam cansado seus olhos, mas não usava óculos; ainda assim era capaz de encontrar o exato livro procurado e até mesmo de abri-lo na exata linha desejada. Era ordeiro em suas vestimentas e não fumava. A sala onde trabalhava, limpa e arejada; as paredes, cobertas de livros e, como única mobília, uma mesa maciça ao centro, e um banco ou sofá sem recosto ou apoio para a cabeça. Enormes volumes in-fólio se espalhavam por toda parte, alguns recostados nos pés da mesa. Jacob não demonstrava sinal de orgulho ou de vaidade, não desejava falar de si mesmo, apenas do trabalho de outros homens. Conta-se que Hans Christian Andersen (uma personalidade bastante diversa, sempre guia­do pelo coração e pela imaginação, por demais sensível, por demais terno e desejoso de felicidade) certa vez partiu alegremente de Copenhague para visitar estes (na sua concepção) seus irmãos artistas. Encontrou o apartamento e indagou por eles. Perguntaram-lhe qual irmão Grimm gostaria de ver. – “O... o que escreve os contos de fadas” – gaguejou, começando a desejar nunca ter vindo. Foi levado a Wilhelm. Inclinaram-se, cumprimentando-se. O “comprido” Andersen olhou de cima de sua desajeitada altura para o grave e circunspecto Grimm. Wilhelm repetiu o nome de Andersen sacudindo a cabeça negativamente. Nunca ouvira falar em Hans Christian Andersen. Andersen tentou explicar. Escrevia contos de fadas. Suas obras ha­viam sido incluídas junto com a dos irmãos em um volume traduzido... Wilhelm ainda balançava a cabeça. Não, de modo algum; nada sabia de Andersen e de seus contos. Talvez Jacob pudesse ajudar, não? Mas Andersen, magoado, com lágrimas nos olhos, já se retirava.

Vídeos Relacionados

Opinião do Leitor

"Os dois melhores escritores infantis depois de Andersen Os Irmãos Grim revolucionaram os contos e desenvolveram uma ótima forma de contar histórias.Seus magníficos contos surpreendem e encantam muitas pessoas até hoje."

Mahatma José Lins Duarte
Três Lagoas/MS

voltar ir para o topo   imprimir
 

Home    Quem Somos    Sala de Imprensa    Agenda    Entrevistas    Mapa do Site    Fale Conosco

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Rua Barra do Tibaji, 354 - Fone: (11) 3578.6606 - São Paulo/SP – CEP 01128-000

Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva