Coleção L&PM Pocket


A ARTE DA PRUDÊNCIA

ORÁCULO MANUAL Y ARTE DE PRUDENCIA

Baltasar Gracián

Tradução de José Viegas Filho

R$21,90

Se O príncipe, de Maquiavel, tinha o objetivo de ensinar a mandatários a arte de bem governar, o livro de Baltasar Gracián, escrito há mais de 370 anos, foi pensado como um guia prático para orientar e aconselhar o homem comum perante os desafios da vida. Esta obra lapidar reúne trezentas máximas espirituosas de fundo moral que vão desde “Não brilhar mais que o superior” e “Encontrar o ponto fraco de cada um” até “Selecionar os amigos” e “Não amar nem odiar para sempre”.

Ao lado do padre Antonio Vieira e de Quevedo, a literatura de Gracián se insere no conceptismo – vertente barroca que priorizava a lógica, a clareza de conceitos, agudeza de pensamento e persuasão retórica – e foi reverenciada por nomes como La Rochefoucauld, Schopenhauer (que o traduziu para o alemão) e Friedrich Nietzsche. Nesta que é sua obra mais difundida, o pensador oferece conselhos primorosos que permanecem válidos e atuais. Baltasar Gracián (1601-1658) foi um pensador e escritor jesuíta do Século de Ouro Espanhol. Lecionou teologia e humanidades, participou da Sublevação da Catalunha e escreveu, além de A arte da prudência (1647), El criticón (1651-1657), que também figura entre suas principais obras.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    A ARTE DA PRUDÊNCIA

  • Título Original:
    ORÁCULO MANUAL Y ARTE DE PRUDENCIA
  • Catálogo:
    Coleção L&PM Pocket
  • Gênero:
    Filosofia
  • Referência:
    1317
  • Cód.Barras:
    9788525438669
  • ISBN:
    978.85.254.3866-9
  • Páginas:
    176
  • Edição:
    setembro de 2019

Vida & Obra

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Se O príncipe, de Maquiavel, tinha o objetivo de ensinar a mandatários a arte de bem governar, o livro de Baltasar Gracián, escrito há mais de 370 anos, foi pensado como um guia prático para orientar e aconselhar o homem comum perante os desafios da vida. Esta obra lapidar reúne trezentas máximas espirituosas de fundo moral que vão desde “Não brilhar mais que o superior” e “Encontrar o ponto fraco de cada um” até “Selecionar os amigos” e “Não amar nem odiar para sempre”.

Ao lado do padre Antonio Vieira e de Quevedo, a literatura de Gracián se insere no conceptismo – vertente barroca que priorizava a lógica, a clareza de conceitos, agudeza de pensamento e persuasão retórica – e foi reverenciada por nomes como La Rochefoucauld, Schopenhauer (que o traduziu para o alemão) e Friedrich Nietzsche. Nesta que é sua obra mais difundida, o pensador oferece conselhos primorosos que permanecem válidos e atuais. Baltasar Gracián (1601-1658) foi um pensador e escritor jesuíta do Século de Ouro Espanhol. Lecionou teologia e humanidades, participou da Sublevação da Catalunha e escreveu, além de A arte da prudência (1647), El criticón (1651-1657), que também figura entre suas principais obras.

" />