Coleção L&PM E-books


TEMPO DE DELICADEZA - Affonso Romano de Sant'Anna

Neste livro, estão reunidos 47 textos em que o cronista – herdeiro literário de Rubem Braga e Fernando Sabino – delicadamente trata de assuntos corriqueiros da vida com o olhar demorado e singular da poesia. Um prato cheio para os fãs do autor e para os admiradores do melhor da crônica brasileira.


Confira um trecho da crônica "Tempo de delicadeza":

            "Sei que as pessoas estão pulando na jugular umas das outras.
            Sei que viver está cada vez mais dificultoso.
            Mas talvez por isto mesmo ou, talvez, devido a esse maio azulzinho, a esse outono fora e dentro de mim, o fato é que o tema da delicadeza começou a se infiltrar, digamos, delicadamente nessa crônica, varando os tiroteios, os seqüestros, as palavras ásperas e os gestos grosseiros que ocorreram nas esquinas da televisão e do cinema com a vida. (...)
            Sei o que vão dizer: a burocracia, o trânsito, os salários, a polícia, as injustiças, a corrupção e o governo não nos deixam ser delicados.
            – E eu não sei?
            Mas de novo vos digo: sejamos delicados. E, se necessário for, cruelmente delicados."

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    TEMPO DE DELICADEZA

  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Crônica
  • eISBN:
    978.85.254.2472-3

Vida & Obra

Affonso Romano de Sant'Anna

AFFONSO ROMANO DE SANT’ANNA nasceu em Belo Horizonte, em 1937. Estudou Letras e Filosofia. Ainda na década de 1960 participou do movimento de vanguarda literária. Sua tese de doutorado pela UFMG versou sobre o conceito de gauche na obra de Carlos Drummond de Andrade. Durante décadas lecionou literatura e escrita no Brasil e no exterior, tendo também sido um dos idealizadores do curso de pós-gradua­&cc...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


            "Sei que as pessoas estão pulando na jugular umas das outras.
            Sei que viver está cada vez mais dificultoso.
            Mas talvez por isto mesmo ou, talvez, devido a esse maio azulzinho, a esse outono fora e dentro de mim, o fato é que o tema da delicadeza começou a se infiltrar, digamos, delicadamente nessa crônica, varando os tiroteios, os seqüestros, as palavras ásperas e os gestos grosseiros que ocorreram nas esquinas da televisão e do cinema com a vida. (...)
            Sei o que vão dizer: a burocracia, o trânsito, os salários, a polícia, as injustiças, a corrupção e o governo não nos deixam ser delicados.
            – E eu não sei?
            Mas de novo vos digo: sejamos delicados. E, se necessário for, cruelmente delicados."

" />