Coleção L&PM E-books


BARTLEBY, O ESCRITURÁRIO - Herman Melville

BARTLEBY, O ESCRITURÁRIO

BARTLEBY, THE SCRIVENER: A STORY OF WALL STREET

Herman Melville

Tradução de Cássia Zanon

Publicado anonimamente em 1853, Bartleby, o escriturário: uma história de Wall Street revela o estilo bem-humorado e por vezes sombrio de Herman Melville (1819-1891). Trata-se de uma história surpreendente pela simplicidade e aterradora pelo realismo.

O narrador, um bem-sucedido advogado, contrata Bartleby para trabalhar como auxiliar de escritório. Ele se mostra um prestativo funcionário até que um dia, sem razão alguma, responde a um pedido de seu chefe com um desconcertante "Prefiro não fazer". Esse desacato, essa insubordinação ultrapassa a compreensão humana: é como se rompesse com a organização moral do mundo, desafiando verdades até então universais.

Este texto fundamental do autor de Moby Dick é considerado precursor do Existencialismo e foi saudado por intelectuais como Albert Camus e Jorge Luis Borges, que viam na história uma discussão sobre o livre-arvítrio, o poder e a moral.

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    BARTLEBY, O ESCRITURÁRIO

  • Título Original:
    BARTLEBY, THE SCRIVENER: A STORY OF WALL STREET
  • Catálogo:
    Coleção L&PM E-books
  • Gênero:
    Literatura clássica internacional
  • Série:
    L&PM Pocket Plus
  • eISBN:
    978.85.254.2474-7

Vida & Obra

Herman Melville

Nasceu em Nova York, no dia 1º de agosto de 1819, em uma família de origens inglesa e holandesa. Durante sua infância, a situação social da família era confortável. Mas seu pai, um senhor refinado, teve sérios problemas financeiros que o levaram à falência no ano de 1830. Ele morreu logo em seguida, deixando a mulher e os oito filhos numa situação instável, fazendo com que a educação de Herman cessasse por volta dos seus quinze anos de idade. Ele começou a trabalhar para auxiliar no s...

Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


Este texto fundamental do autor de Moby Dick é considerado precursor do Existencialismo e foi saudado por intelectuais como Albert Camus e Jorge Luis Borges, que viam na história uma discussão sobre o livre-arvítrio, o poder e a moral.

" />