em 


Opções Avançadas

Vida & Obra

 

Livros do Autor



A DIVINA COMÉDIA

Dante Alighieri
Tradução de Eugênio Vinci de Moraes

Coleção L&PM E-books
Formato ePub
ISBN 978.85.254.3539-2

R$21,90



A DIVINA COMÉDIA

Dante Alighieri
Tradução de Eugênio Vinci de Moraes

Coleção L&PM Pocket
Ref. 344
416 páginas
ISBN 978-85-254-3320-6
Também em e-book

R$34,90

Dante Alighieri

Nasceu na cidade de Florença provavelmente no dia 25 de maio de 1265. Florença era então uma minúscula mas opulenta cidade-estado republicana, com autonomia política e econômica, graças à sua condição de entreposto comercial, às suas pequenas indústrias e ao seu artesanato. Nessa época, a cidade – o centro cultural da Itália, berço de poetas e artistas – era assolada pelas brigas políticas entre o Partido dos Guelfos e o Partido dos Gibelinos. Tal conflito originara-se na Alemanha, onde a linhagem dos Wolf, defensora dos direitos dos pequenos Estados feudais, lutava contra a casa dos Wibling, que apoiava o imperador. Em Florença, assim como no resto da politicamente multifacetada Itália (cuja unificação só ocorreria no século XIX), o Partido dos Guelfos estava a favor do poder papal, enquanto o Partido dos Gibelinos defendia os direitos do imperador germânico. Os guelfos governavam a cidade, mas dividiam-se, por sua vez, em duas facções: a da família Donati, representante da nobreza tradicional, e a do clã dos Cerchi, formada pela burguesia que, enriquecendo, aspirava por uma participação nas decisões administrativas da cidade. As duas facções políticas dariam origem aos grupos dos Brancos e dos Negros, que atuaram, conflitando-se, durante o período de vida de Dante.

O poeta recebeu educação primária no convento de Santa Cruz, dos padres franciscanos, e em seguida aprofun­dou-se em literatura, retórica e Filosofia na escola do mestre Brunetto Latini e, posteriormente, nas universidades de Bolonha e de Paris. Desenvolveu ainda inclinações para o desenho, música e manejo de armas. Aos nove anos apaixonou-se por Beatriz Portinari, uma menina um ano mais nova que ele e dona de uma beleza angelical. Tal paixão pueril marcou-o para sempre. Beatriz casou com um banqueiro e morreu logo em seguida, em 1290. Dante, embora não esquecendo a imagem de uma Beatriz casta e beatífica, teve outros amores terrenos e casou-se com Gemma Donati, com quem teve três filhos. Desenvolveu uma carreira pública exercendo cargos de conselheiro e de prior (uma das seis figuras do poder executivo) de Florença. Como político, tentava apaziguar as facções rivais, embora nutrindo sempre certa simpatia pelos Brancos, partido mais humilde. Foi autor de uma proposta que sugeria expulsar da cidade os homens mais violentos das duas facções. Tal medida foi aprovada pelo Conselho dos Cem (o poder legislativo da pequena república). Quando da execução da ordem, os mais atingidos foram os Negros, entre os quais o poeta Guido Caval­canti, melhor amigo de Dante. Todos os Negros passaram a odiar Dante e solicitaram que o papa Bonifácio VIII interviesse. Este pediu ajuda ao rei da França, Felipe, o Belo, que, por sua vez, enviou a Florença o seu irmão Carlos de Valois para punir os Brancos. Assim, em fins de 1301, os Negros expatriados voltaram à cidade e executaram a sua vingança, depondo os Brancos do poder, saqueando as suas residên­cias e exilando-os. Dante retornava de uma viagem a Roma, onde fora na tentativa de evitar a intervenção papal. Ainda no caminho de volta tomou conhecimento da vitória dos Negros e da sua condenação: uma multa de cinco mil florins e exílio por dois anos. Sem dinheiro, indignado e temeroso de enfrentar os seus inimigos, interrompeu a viagem na cidade de Siena, vizinha a Florença. Como não efetuou o pagamento da multa, recebeu nova sentença: todos seus bens seriam confiscados e seu exílio tornava-se vitalício, com o decreto automático de pena de morte caso voltasse à cidade natal. Deste ano de 1302 até 1321, ano de sua morte, Dante vagou por várias regiões do norte e do centro da Itália, sempre tentando arquitetar um retorno a Florença – que jamais aconteceria. Vivia de favores – talvez até mesmo de esmola – e do mecenato de nobres italianos que começavam a admirar a sua arte, como Bartolomeu della Scala, Duque de Milão e senhor de Verona. Depois da morte de Dante, o povo de Florença tentou dar sepultura em solo natal àquele que viria a ser considerado o maior poeta de voz italiana de todos os tempos. Mas os cidadãos de Ravena, cidade onde o poeta acabou por se estabelecer e onde morreu, não permitiram o translado e o luxuoso túmulo florentino permaneceu vazio.

Foi durante a segunda metade deste exílio, ou seja, durante os dez últimos anos da sua existência (1310-1321), que Dante escreveu sua obra-prima, a Comédia. O longo poema é composto de três partes (Inferno, Purgatório e Paraíso), cada qual com 33 cantos, à exceção do Inferno, que tem 34 cantos, sendo o primeiro uma introdução a toda a obra. São cem cantos no total, com uma média de 120 versos cada um, na forma de tercetos (pequeno conjunto de três versos) de versos decassílabos (com dez sílabas poéticas) de rima alternada. O título Comédia deveu-se a duas razões: primeiramente, por se tratar de uma narrativa que inicia na tristeza (Inferno) e termina com alegria (Paraíso) e por utilizar um estilo simples e uma linguagem popular (italiano), em oposição à tragédia, normalmente escrita em latim.

Nesta que é considerada não apenas a obra-prima do autor, mas de toda a literatura italiana, Dante coloca a si próprio como personagem e lança mão da narração em primeira pessoa. Exilado, peregrino, faz de si uma espécie de cidadão do mundo, representante do homem medievo, espremido entre a cultura clássica e a cultura do cristianismo, em busca da excelência moral e espiritual e da justiça so­cial. Levado pela mão do poeta latino Virgílio, autor da epopéia do povo latino, a Eneida, Dante atravessa o mitológico Estiges na barca de Caronte e é levado a conhecer o Inferno, onde se depara com pecadores sendo castigados, em ordem progressiva de gravidade de pecado cometido. No Purgatório, local de purificação, pessoas pagam penitência por dívidas morais que são, no entanto, saldáveis. Ao final da jornada no Purgatório, a amada e católica Beatriz substitui o pagão Virgílio e torna-se o guia e ajuda divina do poeta, acompanhando-o até o Paraíso, onde repousam pessoas que fizeram a devida penitência de seus pecados, governantes justos, estudiosos da teologia e praticantes do bem, entre outros.

Os cantos da Comédia eram publicados e difundidos à medida que eram escritos. Dante povoou o Inferno, o Purgatório e o Paraíso com personagens históricos, conhecidos seus e homens públicos de Florença, de modo que a difusão da obra teve também um caráter de acerto de contas. O poema mostra, de fato, a vida do povo italiano no final da Idade Média, dividido em várias cidades-estado, em contínua luta pela sobrevivência política, recorrendo ora a aliados estrangeiros, ora ao poder papal. Por ser um painel completo da vida e dos vícios da Itália da época, a Divina comédia é considerada, também, um compêndio, rigidamente estrutu­rado, sobre a civilização medieval, uma suma poética da Idade Média (tendo como fonte doutrinária as sumas teológica e filosófica de São Tomás de Aquino e como fonte estética a Eneida virgiliana).

A maestria e o gênio do poeta superam e sublimam os esquemas poéticos estruturais, tornando imperceptível a rigidez formal da obra; a força transformadora da arte de Dante fez com que ele conseguisse elevar à universalidade problemas específicos de sua época e da sua cidade. Do ponto de vista mais transcendental, a jornada do personagem é uma peregrinação para alcançar os ideais cívicos da união, da justiça e do amor. Dante, vivendo em um mundo que considerava imerso em pecados e injustiças sociais, escreveu uma obra tão didática quanto repleta de beleza poética, que aponta a culpa e os pecados humanos como estando ligados a bens materiais, alienantes. Por outro lado, aponta a valoração de bens espirituais como a única maneira de se atingir a redenção moral do indivíduo – a primeira célula da sociedade –, condição necessária para a perfeição social, isto é, a harmonia da vida comunitária e a excelência das instituições políticas e sociais. A obra é polêmica e agressiva, assumindo quase a “função de um terceiro Testamento, de maneira nenhuma subserviente ao Velho e ao Novo”, segundo opinião de Harold Bloom. Dante estava convencido de que sua obra correspondia à mais elevada verdade, daí o caráter educacio­nalmente positivo da mesma.

Embora seja difícil mesurar a magnitude do impacto da Comédia na literatura e na cultura mundiais, alguns dos escritores que mais diretamente mostram influência do poema de Dante na sua própria obra são: Petrarca, Giovanni Boccacio, Geoffrey Chaucer, Percy Bysshe Shelley, Dante Gabriel Rossetti, William Butler Yeats, James Joyce, Ezra Pound, T. S. Eliot, Jorge Luis Borges e Samuel Beckett. Aliás, foi Boccaccio, autor de Decamerão e italiano como Dante, que no século XIV acrescentou ao título da obra do florentino o adjetivo “divina”, fazendo da Comédia a Divina comédia de hoje.

Críticos e estudiosos costumam concordar que grande parte da permanência da obra-prima de Danteatravés dos séculos se deve ao fato de que ele pensava por imagens. De tão rica visualmente, a Divina comédia influenciou, ao longo da sua história, grandes pintores e artistas plásticos, tais como Gustave Doré, Sandro Botticelli e Michelângelo, entre outros.

Dante morreu na cidade de Ravena, em 14 de setembro de 1321. Escreveu também as obras Convívio, o poema Vita Nuova (no qual também homenageia Beatriz) e De Monarchia (tratado político em latim).


 

Opinião do Leitor

"Quem não consegue em seu intimo se aperceber do inferno,nada consegue se aperceber de si mesmo."

Arildomarques
Brasília

"Estou estudando ele e a sua época que ele vivia e estou gostando muito do assunto."

Maria Eduarda Brito
Barra do Choça/ Bahia

"Inferno?Será?Existe?Para Dante Alighieri ele existiu e para todos os seus leitores também."

Mahatma José Lins Duarte
Três Lagoas/MS

voltar ir para o topo   imprimir página
 

Home    Quem Somos    Notícias    Mapa do Site    Fale Conosco    Podcast L&PM

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Alameda Santos, 1470, cj 310 - Cerqueira César - Fone: (11) 3578.6606 - São Paulo/SP - CEP 01418-903

© 2003-2021 Publibook Livros e Papeis Ltda. - CNPJ 87.932.463/0001-70 - Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva